Pular para o conteúdo principal

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama de Dispersão

Diagrama de Dispersão ou Correlação

 É usado para se verificar uma possível relação de causa e efeito entre duas variáveis objetos de estudo. Revela a maior, menor ou nenhuma dependência de uma variável em relação à outra (Figura 1)
 Uso na etapa de Análise do problema do PDCA


Figura 1 – Exemplo de gráfico de dispersão

Tipos de correlações

                      Podemos ter os seguintes tipos de correlações:

-   Correlação linear positiva: ocorre quando a variável “X” aumenta a variável “Y” também aumenta.

Figura 2 – Exemplo de correlação linear positiva

-   Correlação linear negativa: ocorre quando a variável “X” aumenta a variável “Y” diminui.

Figura 3 – Exemplo de correlação linear negativa


-   Correlação não linear: ocorre quando há um ponto de inflexão.

Figura 4 – Exemplo de correlação não linear
-   Correlação nula: ocorre quando a variável “X” aumenta ou diminui, não há variação na variável “Y”.


Figura 5 – Exemplo de correlação nula

Cálculo do coeficiente de correlação (r)

Coeficiente de correlação: É uma medida do grau de correlação entre duas variáveis (representado pela letra r). Varia de –1 a + 1. Quanto mais próximo da unidade (acima de 0,75) mais correlacionadas são as variáveis.  


As equações abaixo demonstram como calcular o valor de “r”


Interpretando o valor do coeficiente de correlação (r)


Valores dos Coeficientes
Descrição
+1,00
Correlação positiva perfeita
+ 0,70 a 0,99
Correlação positiva muito forte
+ 0,50 a 0,69
Correlação positiva substancial
+ 0,30 a 0,49
Correlação positiva moderada
+ 0,10 a 0,29
Correlação positiva baixa
+ 0,01 a 0,09
Correlação positiva ínfima
0,00
Nenhuma correlação
- 0,01 a 0,09
Correlação negativa ínfima
- 0,01 a 0,29
Correlação negativa baixa
- 0,30 a 0,49
Correlação negativa moderada
- 0,50 a 0,69
Correlação negativa substancial
- 0,70 a 0,99
Correlação negativa muito forte
- 1,00
Correlação negativa perfeita

Estimativa da reta de regressão y = a + bx (Método dos Mínimos Quadrados)

Onde,
y = Variável dependente
x = Variável independente


Exemplificando:

De acordo com os dados abaixo, verifique se existe alguma correlação entre o tempo prisional de um condenado (variável X em meses) com o número de tentativas de fuga no período (variável Y em quantidade).



Meses (X)
Tentativas de fugas (Y)
3
0
6
1
9
2
12
4
15
3
18
5
21
6
24
4

 Calculando:




X
Y
X.Y
  X2
Y2
3
0
0
9
0
6
1
6
36
1
9
2
18
81
4
12
4
48
144
16
15
3
45
225
9
18
5
90
324
25
21
6
126
441
36
24
4
96
576
16
Soma
108
25
429
1836
107
Média
13,5
3,125



Aplicando os valores acima nas fórmulas,



Reta da regressão:

b = 732 / 3024 = 0,242
a = Média (y ) – b. Média (x )
a =  3,125 - 0,242*13,5
a = 3,125 – 3,268 = - 0,143

Substituindo os valores de “a” e “b” na equação da reta temos a seguinte equação da regressão:
y = a + bx
y = - 0,143 + 0,242x

Esta equação permite prever o número de tentativas de fugas que teremos em função do tempo prisional. Por exemplo: Se um preso ficar 17 anos na cadeia, de acordo com a equação acima ele tentará fugir 4 vezes.

y = - 0,143 + 0,242*1= = 4
 
Coeficiente de determinação (r2)

Este coeficiente define quanto à variação da variável dependente (Y) pode ser explicada pela variação da variável independente (X).

No caso do exemplo acima, (r2) = 0,77, ou seja, ao utilizar a equação da regressão, podemos afirmar que 77% das tentativas de fugas (Y) podem ser explicadas pelo tempo prisional (X).  Os outros 23% das tentativas são devidas a outras variáveis independentes, para identificá-las é necessário fazer uma análise de regressão multivariada.


REFERÊNCIAS

PESSOA, Gerisval A. Notas de aula da disciplina PDCA e Seis sigma: metodologia e ferramentas da qualidade. São Luís: FAMA, 2010.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Significado Prático do 5S

Gerisval Alves Pessoa*
Daniel da Silva Jatahy**
Conceito de 5S


È um programa de educação e treinamento que busca a mudança no comportamento e nos hábitos das pessoas, de maneira simples e ao mesmo tempo revolucionária, por meio da prática de ações de melhorias contínuas no ambiente de trabalho e no gerenciamento do dia a dia das organizações.

Tem como objetivo principal preparar uma empresa, um departamento, um bairro, uma escola, uma cidade ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente, por meio do envolvimento das pessoas e do trabalho em equipe.

Os 5S são uma derivação de cinco palavras de origem japonesa adaptadas para o português conforme descritas abaixo:


- Seiri: Senso de Utilização
- Seiton: Senso de Ordenação
- Seisou: Senso de Limpeza
- Seiketsu: Senso de Higiene, Saúde ou Bem Estar
- Shitsuke: Senso de Autodisciplina

Mas para torná-lo simples, é necessário que entendamos de forma prática o conceito de cada senso e que o torne uma ferramenta para ser utilizada …

Série Ferramentas de Gestão: FMEA

FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) - Análise dos Modos e Efeitos das Falhas
FMEA é uma ferramenta básica aplicada à confiabilidade que tem sua principal aplicação para a:
-Melhoria de um produto ou processo já em operação. A partir da identificação das causas das falhas ocorridas e seu posterior bloqueio. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos já em operação. -Detecção e bloqueio das causas de falhas potenciais (antes que aconteçam) em produtos ou processos, ainda na fase de projeto.
A ferramenta FMEA (Análise dos Modos e Efeitos das Falhas) é um método de análise de projetos (de produtos ou processos, industriais e/ou administrativos) usado para identificar todos os possíveis modos potenciais de falha e determinar o efeito de cada uma sobre o desempenho do sistema (produto ou processo), mediante um raciocínio basicamente dedutivo. É um método analítico padronizado para detectar e eliminar problemas potenciais de forma siste…

Série Ferramentas de Gestão: Diagrama do Processo Decisório

Diagrama do Processo Decisório ou PDPC (Process Decision Program Chart)

O Diagrama PDPC procura não apenas antecipar possíveis desvios de rota, mas também desenvolver medidas alternativas que previnam a ocorrência de desvios e atuem satisfatoriamente caso ocorram desvios de rota
O PDPC procura também, desenvolver planos de contingências / planos alternativo para lidar com as incertezas.
Deve-se usá-lo quando:
1.A tarefa é nova ou única; 2.O plano de implementação é complexo e difícil execução; 3.A eficiência de implementação é crítica. 4.Projeto de instalação de uma nova máquina ou intervenção de manutenção 5.Desenvolvimento e introdução de novos produtos
O PDPC pode também, ser usado para mostrar a cadeia de eventos que levam a um resultado indesejável.
Roteiro para Construção:
O Diagrama do Processo Decisório (DPD) é construído nas seguintes etapas:
• Fluxo básico • Macro-DPD • Micro-DPD

Roteiro Básico:
1.Definir os pontos de partida e de chegada 2.Traçar um plano otimista  3.Pensar sobre fatos qu…